Opções para você morar fora – Parte 1

Viver no exterior é uma das experiências mais enriquecedoras da quais você pode fazer parte. Morar em um outro país te permite que você se depare com novas situações e tenha que solucionar problemas que você não encontraria em seu país de origem,

Formas de viver no exterior e ganhar dinheiro ao mesmo tempo

   1)  More em um outro país com um visto de estudante para poder trabalhar ao mesmo tempo

Essa é uma forma muito comum de se ter uma chance de morar fora. Muitos países permitem a estudantes estrangeiros que eles trabalhem legalmente durante os seus estudos.

Nesse caso, existem dois tipos de estudos: universitários e técnicos (onde também é possível estudar inglês).

Na maioria das vezes, o estudante só pode trabalhar meio período, cerca de 20 horas por semana. Mas pela a minha experiência na Austrália, muitas vezes isso é mais do que o suficiente para pagar os estudos (no caso de escolas técnicas, tipo Turismo), moradia e ainda se divertir. Ou seja, dependendo de quanto você trabalhar e gastar, pode até compensar o investimento inicial.

Mesmo que faça muito tempo que você tenha terminado os seus estudos em seu país de origem, não há problema, pois não há limite de idade!

Você tem a opção de vários países para estudar e trabalhar legalmente: 

  • Austrália
  • Nova Zelândia
  • Canadá
  • Irlanda
  • Estados Unidos
  • Alemanha
  • França
  • Outros…

Para participar desse esquema, eu recomendo usar uma agência daqui do Brasil para te ajudar em todo o processo de escolha do país, curso e faculdade/escola, além de suporte com o visto e outros diversos. Mas só para se sentir mais tranquilo, eu também recomendo que você entre em contato diretamente com a escola onde você está pretendendo estudar para ter certeza que é uma empresa idônea e que não vai te deixar na mãe quando você chegar ao novo país. 

Se você for de outro país, eu recomendo procurar na internet em quais países você poderia estudar e trabalhar legalmente, ou consultar agências de intercâmbio onde você mora.

E que tipos de trabalhos eu posso esperar fazer por lá?

Bom, para falar a verdade, não vai ser nada muito deslumbrante. Na maioria das vezes, você vai acabar fazendo o que a gente chama de subemprego, onde não se exige grandes qualificações. O que não significa que, em alguns lugares, você não consiga ganhar dinheiro o suficiente para juntar. No meu caso, trabalhando na Austrália como garçom de eventos, eu achava que ganhava razoavelmente bem. Mas você pode esperar em trabalhar como:

  • Garçom
  • Camareiro em hotéis
  • Limpeza em geral
  • Construção
  • Ajudante de cozinha
  • Montando e desmontando eventos
  • Babá
  • Colheita
  • Caixa de restaurantes e supermercados
  • Empacotador
  • Entregas
  • Arrumador de prateleiras em supermercados
  • Tutor (aulas particulares) na sua língua de origem
  • E até mesmo trabalhos na escola onde você estiver estudando…

Mas sempre há a chance de trabalhar em sua especialização do Brasil. Caso por exemplo, você seja uma professora de Yoga no Brasil e fale Inglês, nada te impede de trabalhar dando aulas no exterior também durante os seus estudos…

Aqui há uma pequena lista de empresas no Brasil que podem te auxiliar no seu processo de intercâmbio:

Prós:

  • Relativamente fácil de obter um visto (de estudante)
  • Pode trabalhar legalmente com seu visto (em alguns lugares)
  • Pode usar isso como uma desculpa para estudar outra língua
  • Você pode ganhar bem em alguns países
  • Experimenta a vida de estudante em outro país
  • Sem limite de idade

Contras: 

  • Você ainda tem que pagar para estudar
  • Pode ter dificuldades para encontrar cursos na língua de sua escolha (neste caso, fazer um curso de iniciante e aprender a língua do país é a sua melhor aposta)
  • Pode ter que fazer um trabalho desagradável

Dica de Seguro de Saúde para Estudantes Internacionais ou de Intercâmbio: A agência estudantil que o ajudará com sua viagem provavelmente irá oferecer-lhe um seguro de estudante (obrigatório na maioria dos países do mundo). No entanto, isso pode ser bastante caro. Então eu sugiro dar uma olhada na minha página com os 3 Melhores e mais Baratos Seguros de Saúde para Estudantes Internacionais e Intercâmbio para comparar preços. Lá eu dou 3 opções de seguros médicos que cobrem vistos de estudantes na maioria dos países e os vistos F1, J1 nos Estados Unidos e o visto de Schengen na Europa. No mesmo artigo eu dou mais detalhes e respondo perguntas sobre seguros de saúde para estudantes internacionais.

Portanto, não se esqueça de comparar os preços de seguros para estudantes antes de comprar para ver qual deles é o melhor negócio e se saem mais baratos que o seguro ofertado pela sua agência, escola, ou faculdade.

2)  Faça intercâmbio de trabalho no exterior durante a sua faculdade no Brasil (Work Experience) 

Esse é um esquema legal onde você pode estar fazendo faculdade aqui no Brasil e nas férias você vai trabalhar emhotéiscentros de esqui e parques de diversão.

O principal país de destino nesse esquema são os Estados Unidos, mas há opções em outros países também como na França, Irlanda e outros.

Para participar, você deve ser estudante universitário no Brasil, ter um nível pelo menos intermediário de inglês (ou da língua do país de destino) e estar disposto a passar no mínimo 3 meses das férias de verão trabalhando. Você também tem que ter entre 18 e 25 anos.

Para falar a verdade, eu nunca fiz esse programa, mas já conheci muita gente que fez e adorou.

Você também vai precisar fazer um investimento inicial que, para ser bem sincero, talvez não se pague ao final, mas provavelmente vai ser umas das formas mais baratas que existe de se passar 3 meses no exterior praticando uma segunda língua, fazendo dinheiro e se divertindo com um monte de gente bacana.

Algumas das mesmas empresas que eu mencionei no primeiro item oferecem esse programa de “Work Experience”. Então é só olhar nos links acima. 

Prós:

  • Aberto a várias nacionalidades
  • Você pode trabalhar legalmente
  • Você pode fazer dinheiro
  • Você pode praticar uma segunda língua
  • Você pode conhecer muitas pessoas interessantes!
  • Você começa a experimentar uma nova cultura
  • Tudo (vooalojamento, etc.) serão organizadas para você pelo programa (embora você tenha que pagar)

Contras:

  • Você tem que ser um estudante universitário
  • Há um limite de idade (18-25)
  • O programa não é barato (e o que você ganha pode não cobrir o custo)
  • Os países que você pode aplicar são limitados
  • Pode haver uma exigência mínima de idioma 

3)  Aplicar para um Working Holiday Visa (Visto de Férias e Trabalho) 

Uma opção que é ainda pouco conhecida de muitos Brasileiros é o “Working Holiday Visa”. O Visto de Férias e Trabalho é uma autorização de residência que te permite viajar e trabalhar no país emissor do visto para suplementar seus fundos de viagem. Com esse visto, você pode ter a experiência de viver em um país estrangeiro sem sofrer as despesas habituais de encontrar patrocínio para visto de trabalho com antecedência ou aderir a programas caros de intercâmbio universitário.

É uma boa opção para quem não pode investir muito em um intercâmbio e só quer trabalhar sem gastar tempo estudando. Mas isso não te impede de também estudar ou simplesmente passear pelo país. Esse visto te permite quase tudo e normalmente dura um ano!

E quais os países que permitem o Visto de Férias e Trabalho para Brasileiros?

  • Nova Zelândia
  • Alemanha
  • França

Você pode até tirar esse visto com o auxílio de uma empresa terceira, mas se você quiser economizar, pode fazer direto pelo sites dos consulados e embaixadas dos respectivos governos.

A idade permitida para se tirar esse visto é normalmente de 18 a 30 anos.

Dê uma olhada nesses sites para ter mais informações:

Infelizmente nós Brasileiros não temos muitas opções de países que nos aceitam nesse esquema de Working Holiday Visa. Mas caso você tenha uma segunda cidadania, eu te aconselho a dar uma olhada abaixo nesse site em Inglês onde mostra todas as possibilidades de Visto de Férias e Trabalho para todos os cidadãos do mundo!

https://en.wikipedia.org/wiki/Working_holiday_visa

Prós:

  • Não tem muito custo inicial (apenas tem que pagar pelo visto)
  • Pode fazer o que quiser com o visto … não tem que só trabalhar!
  • Pode haver um monte de opções, dependendo da sua cidadania
  • Se você trabalhar, terá algo para adicionar ao seu CV

Contras: 

  • Há um limite de idade (varia de país para país, mas geralmente não mais de 30-35)
  • Você pode não ser capaz de encontrar um emprego no país que você possua o visto
  • Alguns países podem ter restrições sobre as horas de trabalho, etc.

*Matéria originalmente postada por: outofyourcomfortzone.net

Deixe uma resposta