Japão na Bienal Internacional do Livro Rio

A XIX Bienal Internacional do Livro, que aconteceu no Rio de Janeiro este ano, foi marcada pelo país oriental.  Uma parceria com o Consulado Geral do Japão no Brasil, localizado no Estado do Rio, o evento contou com oficinas culturais, palestras temáticas e a participação de autores japoneses.

Bienal Internacional e o Japão

O Consulado-Geral do Japão no Rio de Janeiro, em parceria com o Instituto Cultural Brasil-Japão e a Fundação Japão, mostrou em seu estande um panorama diverso, passeando por tradição e modernidade deste país que, apesar de sua distância geográfica, é tão próximo ao Brasil.

A exposição itinerante “O Poder do Shojo Mangá” apresentou reproduções de desenhos produzidos especialmente para mangás japoneses publicados durante os anos 50 e 60. A mostra já participou de mais de 50 eventos, sobretudo na América do Norte e Ásia, buscando difundir a arte do shojo mangá, gênero dedicado ao público feminino. Haverá também uma área com tatame, para ler os livros e mangás disponíveis para apreciação.

Intercâmbio cultural

Visitando pela primeira vez o Brasil, a comitiva do Japão é composta por: Kanae Minato, autora considerada pela crítica a rainha dos thrillers; a mangaka (autora de mangá) Reiko Okano; Masami Toku, pesquisadora especialista em mangá; e o cineasta Macoto Tezka, filho de Osamu Tezuka, este considerado o pai dos quadrinhos japoneses.

De acordo com Tatiana Zaccaro, diretora da Bienal do Livro Rio, a escolha dos autores convidados se deu tanto pelas premiações internacionais, como também pela singularidade de conteúdos abordados pelos autores em suas obras, que reforçam a presença de elementos tão intrínsecos na cultura japonesa, como o mangá Shojo.

“Seguindo a tradição de promover intercâmbio cultural com a nação convidada, uma delegação de autores japoneses estará presente durante todo o evento para participar da programação oficial. Os assuntos abordados nas palestras variam desde mangás e games até assuntos mais específicos como monges, sumô e onmyodô”, explica ela. De acordo com o site madeinjapan.

Confira no site da Bienal Internacional do Livro imagens e mais informações.

Deixe uma resposta