Série Inglaterra: York, por Bianca Fletcher

Você já ouviu falar de York? Não? Hoje daremos início a Série Inglaterra. Nossa primeira parada é em York, uma cidade histórica que fica ao norte do país.

Para saber mais sobre esse lugar incrível, conversamos com a Bianca Fletcher, uma brasileira, de 30 anos, que mora York há quase um ano e meio.

Porque York?

Bianca se mudou para York após se casar com Josh, que é inglês. Ela nos explicou que eles optaram morar na cidade, considerada pequena, porque seu marido tinha um emprego fixo lá, já empresa dela, Bianco Blanc Paperie, poderia ir com ela para qualquer lugar.

Bianca e Josh – Foto: Bianca Fletcher

A Bia é formada em Cinema, mas atualmente trabalha como designer em sua própria empresa, especializada em convites de casamentos. Seu trabalho é feito em home office e sua clientela abrange tanto ingleses, quanto brasileiros.

No começo a brasileira ficou meio receosa em se mudar para uma cidade pequena, achando que não encontraria tudo o que precisava, ou que poderia ficar entediada por falta de entretenimento:

“Acostumada com o Rio eu tive muito medo e eu me lembro que pedi pro Josh comprar a passagem do nosso trem pra York algumas horas mais tarde da nossa chegada em Londres, porque eu queria comprar algumas coisas antes de chegar em York. Eu literalmente achei que estava indo pra uma Paracambi (cidade onde eu nasci).”

Mas logo ela percebeu que não tinha com que se preocupar, York é uma cidade pequena, mas que não fica devendo nada às metrópoles.

“Quando eu cheguei em York e vi a quantidade de lojas e marcas disponíveis eu não acreditei, quase chorei!”

A principal diferença relatada por Bianca entre York e Londres, que é uma cidade grande, é a distância entre os locais que se desejar ir e a limpeza:

“Londres é uma cidade de turistas. As ruas são lotadas, não é tão limpinho quanto aqui e é muito maior (o que faz com que você acabe tendo que perder muitas horas se deslocando).”

Cultura

Micklegate –   yorkpress.co.uk

“A diferença cultural é muito grande, mas me surpreendi com muitas coisas também!”

Bia nos contou que achava que os britânicos eram extremamente educados e “frios”, mas ao conviver com eles, notou uma postura totalmente oposta do que imaginava:

“Os britânicos são super animados, super carinhosos um com o outro, super respeitadores e dizem eu te amo com bastante frequência!”

Algo que chamou muito a atenção da brasileira foi a vida ativa da população idosa:

“Pessoas nos seus 65, 70 anos vivem de forma completamente independente. Saem muito para pubs e restaurantes com amigos e é muito comum ainda estarem trabalhando. Isso eu acho muito legal!
A expectativa de vida aqui é bem alta. A avó do Josh faleceu com 95 anos e vivia de forma independente, fazia suas compras e resolvia questões de banco, por exemplo.”

Sobre os pontos negativos, Bia acha a cultura de lá meio sexista, mulheres só costumam sair com mulheres e homens com homens. Também não é comum ver mulheres ocupando cargos que não sejam tradicionalmente ocupados pelo sexo feminino:

“Apesar de ser um pais super liberal e moderno, a forma como as pessoas decidem viver é muito “tradicional”. Mulheres sempre optam, na maioria dos casos, por profissões na área de saúde, educação e cuidados, enquanto homens ocupam outros cargos.”

Em relação aos programas de televisão, Bia nos relatou que a maioria tem conteúdo educativo e há muitos games show. Disse ainda, que considera o nível de cultura que os cidadãos tem na Inglaterra é maior do que no Brasil:

“O nível de conhecimento do britânico comum é assustadoramente maior do que o de um universitário Brasileiro, sobre sua própria cultura. Isso eu acho muito legal.”

Gastos

Bianca Fletcher

Bianca nos contou que em York não é comum pagar alguém para fazer a limpeza da casa, pois esse tipo de serviço é muito caro na cidade. Nos contou também que, os ingleses são bem econômicos quando se trata de vestimentas. Eles não se importam com roupas caras, ou de repetir itens usados anteriormente:

“Eu diminui muito meus gastos com roupas quando me mudei porque realmente ninguém ta nem ai se você já usou essa roupa 980 vezes!”

Outra diferença é a forma de fazer as compras. Nos mercados até há pessoas exercendo a função de caixa, mas existe um sistema, no qual o próprio cliente efetua o pagamento de suas mercadorias:

“Você pode escanear sua compra e fazer o pagamento em um caixa individual ou utilizar uma maquininha enquanto esta fazendo sua compra, escanear item por item e no final escanear apenas a maquininha! Não, ninguém fica atrás de você pra saber se esta roubando! Isso é mágico!”

Lazer

York tem várias casas noturnas, teatro, cinema, pubs, restaurantes, além de festivais e muitos eventos acontecendo o ano todo. A brasileira nos falou qual é a sua época preferida do ano, na cidade:

“Eu gosto dos eventos de Natal por ser a época do ano mais cheirosa. São várias barraquinhas no centro da cidade com produtos locais, shows, bares, etc.”

Centro da cidade no Natal – Foto : Bianca Fletcher

No verão acontecem muitos shows e há, também, a temporada de corridas de cavalo, um evento muito tradicional em York!

A cidade é muito histórica, tendo como o seu ponto alto, a Catedral – York Minster. Ainda existem os muros e os portões que cercavam a cidade antigamente, não é necessariamente uma atração, mas desperta muitos olhares por sua beleza e charme.

York abriga um museu viking – o Jorvik. Ele é interativo e foi construído em cima do que foi uma casa viking.

A alguns minutos da cidade fica localizado o Castelo Howard, que segundo a Bia, é incrível. A brasileira também indica as praias britânicas, que ficam a aproximadamente uma hora de distância de York. Sua praia preferida é Robin Hood’s Bay.

Em York tem uma rua chamada The Shambles. Esta rua atraí muitos turistas por se parecer com o beco diagonal (Harry Potter), nela há três lojas com artigos específicos da saga.
The Shambles -yorkmix.com

Clima

O clima de York é totalmente diferente do Brasil, as quatro estações do ano são bem definidas, ao contrário do nosso país. Bianca não sentiu dificuldade em se adaptar ao clima mais ameno da cidade, pois sempre gostou de frio. O que não agrada muito a brasileira são as chuvas quase que diárias durante a maior parte do ano:

“Se não chover todos os dias vai chover um dia sim e um não na maior parte do ano. No entanto o verão aqui é bem intenso. Quase não chove durante a estação e é bem quentinho. Chega a fazer 30 graus fácil!”

Durante todo o inverno é comum ter temperaturas negativas na parte da noite, enquanto ao longo do dia (em inverno mais rigorosos), não passa dos 5 graus.

Rua da Bianca durante o inverno de 2018 – Foto: Bianca Fletcher

Quando é verão em York os dias são bem mais longos do que as noites, podendo ultrapassar 19 horas de sol. Já no inverno, acontece o oposto, os dias são mais curtos.

“Durante o verão amanhece por volta das 3h da manha e anoitece após as 10h da noite. No inverno amanhece depois das 7h da manha e anoitece por volta das 4h da tarde.”

Custo de Vida

Salário mínimo

O salário mínimo em York é aproximadamente 8 £ por hora. Considerá-lo baixo ou alto, dependerá do modo de vida de cada um. Segundo Bianca, muitas pessoas levam uma vida confortável, mas sem muitos luxos, com esse salário.

Transporte público

O transporte público da cidade é pontual e atende a demanda dos cidadãos, por isso um carro não é um bem extremamente necessário. O preço das passagens custa em média 1,80 £.

Há ciclovias por toda a cidade de York, por essa razão, muitos preferem se locomover de bicicletas, ou até mesmo a pé.

Aluguel

É possível encontrar um imóvel de dois quartos, em uma boa localização (não muito distante do centro da cidade) por 600£ a 800£, mais taxas.

Mercado

As compras do mês ficam em torno de 150£ a 250£ para duas pessoas. Os produtos “sem marcas” (aqueles dos próprios mercados) são de excelente qualidade e custam bem menos que os de marcas convencionais.

Restaurantes

Os preços dos restaurantes são bem semelhantes entre si. Em média, um jantar custará 25£, incluindo entrada, prato principal e sobremesa.

Plano de celular

Um bom plano de celular com internet ilimitada custa menos de 20£ por mês.

pt.depositphotos.com

Dicas para quem pretende morar na Inglaterra

“Não pense em se mudar para uma cidade como York esperando comer feijão preto todo dia, porque isso não vai acontecer.”

A primeira dica que a Bianca nos deu foi sobre abraçar a cultura e a culinária local. Como relatado por ela, não será fácil encontrar tudo aquilo que gostamos, ou estamos acostumados a comer no Brasil.

Também é necessário ter em mente, que nem sempre será possível trabalhar no mesmo tipo de emprego, ou na mesma função que ocupava antes de mudar de país, ou até mesmo, dentro de sua área de formação.

Além disso, falar inglês é primordial. Não precisa ser fluente, mas é necessário ter uma noção, para conseguir se comunicar. Quanto melhor você souber se comunicar em inglês, mas chance terá de conseguir um bom emprego.

Quando a Bia chegou em York ela já dominava a língua inglesa, mas mesmo assim, se sentiu um pouco perdida, no início, e acabava cometendo alguns erros:

“O mais clássico dos meus micos são “in/on” e “he/she”. Eu “enfiei” coisas em pessoas e/ou animais no meio de conversas e isso não é legal!”

Com o tempo, ela foi perdendo a timidez e a vergonha de pedir as pessoas para que falassem um pouco mais devagar. Isso só fez com que ela se sentisse mais confiante e segura para chegar à fluência de hoje.

“O sotaque do norte é muito carregado! Mas hoje me considero fluente, e algumas pessoas pensam que sou daqui!”

Sobre escolher York como casa, Bianca julga ser uma boa opção, pois o novo morador poderá imergi na cultura inglesa e não ficar tão distante das outras cidades da Inglaterra:

“Aqui é muito fácil e barato se deslocar para vários lugares, então escolher uma cidade que tenha peso histórico, com paisagens que você não encontra nas cidades grandes e tendo a oportunidade de conviver com britânicos e aprender mais da cultura, e quando quiser pegar um trem e em 2h estar em qualquer lugar, é algo a considerar, né?”.

Catedral – York Minster – englishcathedrals.co.uk

A última dica dada pela brasileira foi:

“Esteja disposto a iniciar uma nova etapa e se permita viver todas as oportunidades que o pais te proporcionar. Diga mais sim e divirta-se!”

*Para saber mais sobre a terra da rainha, não deixe de acompanhar a nossa Série Inglaterra! Posts novos toda quinta e domingo.

2 comentários sobre “Série Inglaterra: York, por Bianca Fletcher”

Deixe uma resposta