Depoimentos

Dois meses na Colômbia: depoimento de João Vitor

Gabrielly Damasceno Araujo
Escrito por Gabrielly Damasceno Araujo em 13 de novembro de 2020

Com uma cultura única e um custo de vida barato, Colômbia se tornou o país escolhido pelo João Vitor Santana, 21, para passar uma temporada de 2 meses. Nesse depoimento exclusivo, o estudante nos contou tudo sobre a região e como fez para viajar pra lá. Para descobrir todos os detalhes, basta acompanhar essa entrevista até o final!

Custo de vida na Colômbia

“Você vai fazer a festa se for pra Colômbia, porque tanto para morar quanto para turista, é incrível! Como a moeda deles é mais desvalorizada que a nossa, fica mais fácil da gente ir para conhecer. O custo de vida é simplesmente incrível! Todo os meios de transportes são baratos, se eu fosse converter, iria dar uns 2 reais ou até menos. No mercado é muito fácil e barato de comprar as coisas, e se eu quisesse comer comidas típicas da região, era extremamente barato. Até mesmo os fast-food ou restaurantes mas chique eram baratos”

“Entretanto, tudo isso foi na cidade onde eu fiquei, Ibagué, que é o centro sul da Colômbia. Então, não é uma cidade turística, mas cheguei a ir para Medellín, Cartagena e Bogotá (capital) que são regiões bem turísticas, e mesmo assim não achei tão caro. Os hostels que eu fiquei foram muito baratos, valeu super a pena. Eu comia super bem, um prato feito com a mesma quantidade de comida que a nossa, eu pagava mais ou menos uns 9 reais (convertendo) e ainda vinha com bebida.”

“Por ser um país de terceiro mundo, a situação financeira da Colômbia se parece com a do Brasil, tanto que o transporte público era muito ruim, às vezes demorava 1 hora pra passar. Em questão de segurança, é bem parecido com o Brasil também, tive que tomar cuidado real, me sentia um pouco inseguro. Em relação as cidades mais visitadas, como Medellín, Bogotá, Cartagena, eram mais tranquilas, mas mesmo assim tem que tomar cuidado.”

Como faz pra ficar 2 meses na Colômbia

“Eu fiz o intercâmbio pra Colômbia através da AIESEC, que uma fundação de jovens para criar liderança em outros jovens, e é uma ótima opção de trabalho voluntário para quem não quer gastar muito. Além de você escolher o projeto de sua preferência – eu escolhi trabalhar com crianças em uma biblioteca desenvolvendo atividades culturais e literárias – a AIESEC te coloca pra morar com uma família que é obrigada a te dar uma refeição por dia.”

Colômbia

“A família é que decide quais refeições será, mas eu tive uma conexão tão forte com as pessoas da casa, que eles me davam todas as refeições. Tive muita sorte real. Eu trabalha 4 a 5 horas por dia, então tive muito convívio com a língua e cultura da região.”

“Eu tive muito contato com o espanhol, pois falava a língua 24 horas por dia. Me considero fluente, mesmo só com dois meses no país.”

“Só que eu tive alguns problemas com a AIESEC. Quando eu cheguei lá, o meu projeto não era aquele que eles se comprometeram a me colocar. Era em uma ONG num local totalmente diferente, e era com pessoas de 5 a 50 anos de idade e com problemas cognitivos. Foi bem desafiador pra mim, pois não estava preparado pra isso. Hoje, vendo tudo, sei que foi incrível! Tive muita ajuda, e desenvolvi atividades que misturavam educação com cultura. Foi muito legal.”

Não precisei de visto, pois você pode ficar 3 meses na Colômbia como turista, e com isso é só apresentar o passaporte junto com o comprovante da vacina contra a febre amarela. A AIESEC me deu um papel com tudo explicado para apresentar na hora da imigração, e eles mesmo que cuidaram de todo o resto, como hospedagem e desembargue no aeroporto. Eu só tive que me preocupar com a passagem.”

Cultura

“Os colombianos são um povo incrível. Já visitei um total de 25 países, e com certeza a Colômbia é meu lugar preferido com relação a povo. Eles são extremamente calorosos/acolhedor. As comidas tem semelhança com a nossa, mas são um pouco mais apimentadas. É uma culinária maravilhosa. Eles tem a cultura de tratar todo mundo como se fosse da família.”

“No rádio, você só escuta música da América Latina porque eles valorizam muito a música deles. Quando eu estava lá, só escutei Anitta o tempo todo (risos). Uma coisa ruim da cultura deles, é que os colombianos ainda são muito conservadores. Então o papel da mulher na sociedade, assim como as pessoas LGBTQIA+, ainda é extremamente complicado, porque são um povo machista.”

“Um conselho que eu dou é pra você tomar muito cuidado, ainda mais se for menina viajando sozinha, mas não deixe de conhecer e aproveitar bastante todas as coisas boas que tem. Coma bastante, pois a comida é incrível! Esteja aberto para absorver todos os costumes e fazer grandes amigos.”

Os lugares que eu fui…

“Cheguei a ir no deserto de Tatacoa, e em cidades como Medellín, Cartagena, Bogotá, Guatapé, fui também em umas cidades famosas do sul, com paisagens incríveis. Eu viajei apenas de ônibus e ficava um pouco nervoso, já que eles não respeitam o sinal – tem lugares que nem tem sinal -, era uma verdadeira loucura. Quando eu fui de Cartagena para Bogotá, levei cerca de 16 horas, por causa das paradas. O clima varia, geralmente é quente, mas em Bogotá eu peguei frio de 10° graus. “

Além dessa matéria recheada de informações importantes sobre a Colômbia, você consegue mais detalhes acessando a matéria: Veja tudo sobre como morar na Colômbia. Gostou dessa entrevista e não quer perder outras? Então siga o nosso Instagram: @meuintercambionline. Até a próxima pauta pessoal!

Hey,

o que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

Quem Somos

“Somos um site pra você chamar de seu.

O Meu Intercambio é o seu lugar de saber mais sobre a vida no exterior e também compartilhar vivências da sua viagem.

Torne o seu sonho realidade e viva sem fronteiras.”